autopage/pg-search

Busca Textual com PostgreSQL no CakePHP

Installs: 323

Dependents: 0

Suggesters: 0

Security: 0

Stars: 1

Watchers: 2

Forks: 0

Open Issues: 1

Type:cakephp-plugin

1.2.2 2021-05-04 12:45 UTC

This package is auto-updated.

Last update: 2021-09-04 13:40:58 UTC


README

License CI Coverage Downloads Latest Stable

Adicione suporte a Full Text Search do Postgres em sua aplicação CakePHP.

Requisitos

  • PHP 7.2+
  • CakePHP 4.2.2+
  • PostgreSQL 9.6+

Instalar

Inclua o plugin como dependência

composer require autopage/pg-search

Uso

Para ter todos os recursos disponíveis, você deve configurar sua aplicação para usar o Driver fornecido aqui na conexão com o banco de dados. Ele habilitará o uso do TableSchema e PostgresSchemaDialect incluidos no plugin que estendem as versões padrão do CakePHP para implementar o tipo de coluna tsvector e aos índices do tipo gin e gist.

Configuração

No seu app_local.php:

    // ...
    'Datasources' => [
        'default' => [
            'className' => \Cake\Database\Connection::class,
            'driver' => \Autopage\PgSearch\Database\Driver\Postgres::class,
            // O restante da sua configuração vem normalmente
            // ...
        ],
    // ...

Outra configuração importante, mas opcional, é definir qual configuração de busca o PostgreSQL deve usar na hora de indexar ou buscar um campo do tipo tsvector.

Você pode configurar ela com a chave PgSearch.config_name. Supondo que você criou no seu banco de dados uma configuração de nome portuguese, o seu app_local.php ficaria:

    // ...
    'PgSearch' => [
        'config_name' => 'portuguese',
    ],
    // ...

SearchableBehavior

Associe as tabelas que deseja tornar pesquisável ao behavior, desta forma, sempre que um registro for criado/editado/excluído, as informações serão propagadas para a tabela de busca.

    /**
     * Método de inicialização da Table
     *
     * @param array $config The configuration for the Table.
     * @return void
     */
    public function initialize(array $config): void
    {
        parent::initialize($config);

        $this->addBehavior('Searchable', [
            'foreign_key' => 'origem_id',
            'mapper' => function ($entidade) {
                return [
                    'origem_id' => $entidade->id,
                    'conteudo' => $entidade->descricao,
                ];
            },
        ]);
    }

Configurações disponíveis

  • target: string. Nome do repositório (Table) que deve ser usada para persistir os registros de forma pesquisável. Por padrão usa uma Table com nome igual a que está vinculada ao Behavior, adicionado o sufixo 'Searches'. Exemplo: Posts -> PostsSearches.
  • foreign_key: string. Nome da coluna em target que referencia o registro original. Por padrão usa o nome da tabela no singular adicionado o sufixo '_id'. Exemplo: Posts -> post_id
  • mapper: callable. Método/função que converte uma entidade do repositório original para uma de target. Por padrão, ele copia todos os campos da entidade original na entidade nova e associa a chave estrangeira da nova a chave primária da original.
  • doIndex: bool|callable. Se deve ou não indexar o registro. Permite um controle individual. Por padrão o valor é true.
  • doDeindex: bool|callable. Se deve ou não desindexar o registro. Permite um controle individual e suporte a remoção lógica (soft-delete). Por padrão o valor é false.

Finder FTS

O behavior disponibiliza o finder de nome fts. Como todo finder, ele recebe uma query e também retorna uma query. Dessa forma, você pode usar ele para preparar uma query antes ou depois de chamar ele, estendendo as condições e qualquer outra operação possível em uma query.

Os parâmetros especiais desse finder são:

  • field: string (obrigatório). Nome do campo do tipo tsvector onde a busca será feita
  • value: string (obrigatório). Valor que deve ser comparado com o campo
  • highlight: boolean. Flag indicando se deve ou não incluir destaque nos termos encontrados. Por padrão é desativado.
  • highlight_field: string (obrigatório apenas se highlight for true). Nome do campo textual onde o highlight será aplicado
  • exact: boolean. Se a comparação será do tipo exata ou aproximada. Por padrão é aproximada (false).
  • configuration: string. Nome da configuração de busca usada na comparação. Por padrão, usa a mesma definida em PgSearch.config_name.
  • ranked: boolean. Flag indicando se a query deve ser ordenada por score.

FAQ

Preciso mesmo usar o driver do plugin na minha aplicação?

Não, não precisa. Mas ao não usar, você terá de dizer em cada Table que possui coluna tsvector qual é essa coluna.

Nos seus testes unitários, também não será possível criar Fixture com esse tipo de coluna ou um dos índices gin e gist.

Em resumo: não precisa, mas deveria.

Por que usar uma tabela separada para indexar?

É uma decisão pessoal, tirada após trabalhar com sistemas que migram de backend de busca/indexação ao longo do tempo. Separar as tabelas te fornece mais flexibilidade. E o tradeoff é o uso um pouco maior de disco.

Essa tabela indexada pode ser uma versão desnormalizada de outra, permitindo que você faça várias consultas que exigiriam joins e subqueries de outra maneira. Em um segundo momento, quando passar a ter bilhões de registros, você pode querer desacoplar essa tabela do banco principal e passar para uma outra instância, ou mesmo para um serviço especializado como Elasticsearch, Solr e Sphinx.

Entendi, mas posso usar a mesma tabela do registro principal?

Até pode, mas você ganharia apenas o finder como vantagem - os recursos de sincronização ficam desativados.